(62) 3922 3044      contato@centi.com.br
Todo o conteúdo publicado em: Dicas Úteis

Como a administração pública se comunica?

1_810x251

Como em qualquer outra organização, os órgãos da Administração Pública também precisam se relacionar de maneira estratégica com os seus clientes. Isto acontece, pois aqui a opinião deles vale ainda mais, afinal o cidadão é cliente e sócio ao mesmo tempo, ele recebe os serviços e investe na administração quando paga impostos. Deste modo, ter uma boa comunicação significa ter um bom relacionamento com o cidadão. Por isso, é necessário escolher estrategicamente qual é a melhor maneira para o seu órgão se comunicar. A estratégia pode variar de acordo com a situação e com as pessoas envolvidas. Sabendo disso, hoje vamos apresentar os três modelos mais utilizados de comunicação para você se espelhar e implantar na sua instituição.
  1. Comunicação Governamental
Nessa vertente a comunicação acontece entre gestor e cidadão. O prefeito, vereador, deputado ou qualquer outro membro da administração que tenha um cargo eletivo, se comunica diretamente com o cidadão por meio de audiências, encontros em bairros e etc. O objetivo aqui é promover um bom relacionamento entre o gestor e o cidadão, para evitar degastes durante a administração e o bom andamento do governo.
  1. Comunicação Organizacional.
Aqui o objetivo é diferente, quando a administração pública precisa se comunicar com algum parceiro (alguém que tenha vencido a licitação de uma obra por exemplo) ela utiliza a vertente organizacional. Aqui o objetivo é estabelecer uma boa relação com a outra empresa para que a execução da obra ou do serviço aconteça de maneira correta. Então, reuniões para feedback e qualquer outra ferramenta para aproximação e acompanhamento é fundamental. 03 – Comunicação Pública Como o próprio nome diz, essa é a vertente tradicional e a mais utilizada. Ela visa a difusão de temas de interesse público, relacionados a direitos e deveres do cidadão. Como ela precisa alcançar um número maior de pessoas, e-mails e correspondências ainda são os meios mais eficazes para sua realização. Apesar de parecer óbvia, como vimos, nem sempre ela será a melhor alternativa. Devendo ser utilizada apenas quando o órgão precisa se aproximar do cidadão. Equipe CENTI

Leia mais

Como proteger as suas informações?

8_810x251 Apesar da Lei de Acesso a Informação defender a ampla divulgação dos dados referentes a Administração Pública, ela também garante que alguns dados sejam mantidos em sigilo para não prejudicar nenhum ente da Administração ou da Sociedade. É claro que na era da Internet, se tornou ainda mais difícil evitar o vazamento de informações sigilosas. Tendo em vista o quanto elas são valiosas em nosso meio. Então, para te ajudar a evitar problemas deste tipo no futuro, hoje vamos sugerir algumas práticas simples para garantir a segurança das informações na sua instituição.

  1. Evite o compartilhamento de senhas
As senhas existem para a proteção do usuário e das informações por ele acessadas. Então, evite o compartilhamento de senhas. Mesmo que você confie e conheça as pessoas, você não sabe se o computador ou o celular que elas utilizam para realizar o acesso está livre malwares (vírus, spywares, cavalos de tróia). Deste modo, todo cuidado é pouco.
  1. Evite senhas fáceis.
Essa dica já é uma velha conhecida, mas em muitas vezes esquecemos de aplicá-la em nosso trabalho. Aqui a regra é a mesma, escolha uma senha, que não se relacione a datas de aniversário, números de telefone. A ideia é deixar a numeração o mais impessoal possível.
  1. Tome cuidado com pendrives.
É uma prática comum armazenar dados em pen drives. No entanto, como são dispositivos pequenos, sempre é interessante, ter atenção e evitar o seu compartilhamento para garantir que as informações contidas nele não transitem indevidamente. Equipe CENTI.  

Leia mais

Informativo Orçamento 2018

Informamos que já se encontra disponível no sistema, a Exportação do arquivo do Orçamento referente ao ano de 2018, através do menu Prestação de Contas - Exportação TCM-GO. De acordo com o novo layout disponibilizado pelo TCM, houve alteração nos seguintes pontos: 1 – Arquivo de Programas – PRO No arquivo de programas “PRO”, foi inserido um novo campo obrigatório, Indicador, onde deverá ser preenchido no sistema através da tela CO037 – PPA, como demonstrado figura abaixo. 1   2 – Arquivo de Ações e Metas Os campos Público Alvo e Produto, passaram a ser obrigatórios, e deverão ser verificados e preenchidos no sistema através da tela CO037 – PPA, conforme figura abaixo. Público Alvo 2 Produto 3   3 – Arquivo das despesas DSP O arquivo da despesa orçamentária foi modificado, e a partir de agora, a codificação será enviada ao TCM até o nível de Modalidade de Aplicação e não mais até o nível de elemento de despesa como era antes, conforme exemplificado: Antes – 3190.11   (Até 2017) Agora – 3190.00   (2018 em diante) Em caso de dúvidas, por favor entrar em contato com nosso suporte. Até a próxima, Equipe CENTI

Leia mais

Em quais áreas um sistema de gestão pode ajudar na gestão pública?

Em quais áreas um sistema de gestão pode ajudar na gestão pública?

A administração pública vive um período onde a qualidade se tornou a principal exigência do cidadão. No entanto, apesar de parecer algo simples, se engana quem pensa que esse atributo é facilmente alcançado, afinal só é possível obter qualidade na administração quando todas as áreas e processos são monitorados e avaliados continuamente, ação que nem sempre acontece. Deste modo, quando as exigências aumentam surge aquela dúvida: “Como eu posso monitorar os meus processos de maneira rápida e eficiente?”. A resposta é simples: aposte em um sistema de gestão. Em um primeiro olhar a ideia de informatizar os processos pode até assustar, mas ela facilita e muito a organização da administração. Afinal, você pode concentrar quase todas as atividades burocráticas e rotineiras em um só lugar e registrar cada um desses processos no momento de sua execução, sem muito complicação, o que faz toda diferença na gestão da qualidade da administração. Nas soluções produzidas pela CENTI por exemplo, é possível cuidar das áreas internas da administração como: almoxarifado, emissão de notas, compras, patrimônio, pregão e contabilidade. Tudo isso em um só lugar, com atualização contínua dos registros, o que evita gastos desnecessários e até mesmo auxilia no controle orçamentário. Mas se você precisa de funcionalidades que facilitem o atendimento ao cidadão, a CENTI também possui soluções para programas de assistência social, ouvidoria, sistema fazendário e portal do cidadão. Essas ferramentas fazem toda diferença para o cidadão que procura o auxílio da administração pública para resolver alguma solicitação ou débito de maneira rápida e prática. Por fim, se você ainda precisa de mais argumentos para inserir um sistema de gestão da sua administração, saiba que a CENTI também possui ferramentas para o controle do check-list interno de atividades, logística, licitações, recursos humanos e protocolos. O que é essencial para que o trabalho aconteça de maneira produtiva e eficiente. Afinal a qualidade é a soma desses dois atributos. Até a próxima.   Equipe CENTI.  

Leia mais

Orientações para o administrador público em relação a Dívida Ativa.

image

  Dívida Ativa Tributária está conceituada no art. 201 do Código Tributário Nacional, da seguinte forma: "Art. 201 – Constitui dívida ativa tributária a proveniente de crédito tributário dessa natureza, regularmente inscrita na repartição administrativa competente, depois de esgotado o prazo fixado, para pagamento, pela lei ou por decisão final proferida em processo regular". Verifica-se em alguns casos na administração pública a inexistência de inscrição em Dívida Ativa, créditos do Município de qualquer natureza, não adotando alguma medida efetiva para recebimento dos tributos. Essa conduta de não adotar medidas, como, encaminhamento do processo para inscrição em Dívida Ativa e respectiva propositura de ação executiva, é, todavia, ilegal e antieconômica. A Ausência do reconhecimento em Dívida Ativa dos créditos impactará diretamente no resultado patrimonial do Balanço Geral do Município, lembrando, ainda, que as contas apreciadas pelo Poder Legislativo, identificando tais divergência pelo Tribunal do Contas, poderá julgar irregular as contas na forma prevista no § 2° do art. 31 da Constituição Federal. Deverá a administração verificar em sua legislação municipal para sanar irregularidades, inscrevendo os créditos em até dia 31 de dezembro de cada ano, e adotando as providências necessárias para evitar o ressarcimento do prejuízo a secretaria do tesouro municipal. Em tempo de lembrar, que nossa empresa estará sempre disposta a colaborar nos registros de seus atos. Aproveitando o momento renovamos nosso sincero voto de estima e distinta consideração. CENTI

Leia mais